Registo | Contactos

Investigação sobre motilidade dos espermatozóides premiada

28 Nov 2012 - 16h03 - 3.700 caracteres

Uma equipa de investigadores liderada por Mónica Bettencourt-Dias, do Instituto Gulbenkian de Ciência, venceu a edição de 2012 do Prémio Pfizer de Investigação Básica, pelo seu trabalho na compreensão da motilidade da cauda dos espermatozóides.

A equipa de investigadores liderada por Mónica Bettencourt-Dias (http://sites.igc.gulbenkian.pt/ccr/), do Instituto Gulbenkian de Ciência (IGC) venceu a edição de 2012 do Prémio Pfizer de Investigação Básica, no valor de 20 000 Euros, atribuído pela Sociedade das Ciências Médicas de Lisboa (SCML) (http://scmed.pt/np4/home.html) e os Laboratórios Pfizer (https://www.pfizer.pt/). A cerimónia de entrega decorre, dia 28 de Novembro, a partir das 18h, na Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa, contando com a presença do Sr. Secretário de Estado Adjunto do Ministro da Saúde, Dr. Fernando Leal da Costa e da Sra. Secretária de Estado da Ciência, Dra. Leonor Parreira.

O trabalho premiado foi coordenado por Zita Carvalho-Santos e Mónica Bettencourt-Dias, envolvendo vários outros investigadores deste grupo do IGC, e colaboradores do ITQB (Instituto de Tecnologia Química e Biológica)  e EMBL (European Molecular Biology Laboratory, Alemanha). Esta investigação permitiu descobrir como a célula constrói o flagelo. Os flagelos são essenciais para o movimento de células (por exemplo, os espermatozóides) ou para a movimentação de fluido, garantindo que este fluido e o que ele transporta (poeiras, óvulos, etc) se desloquem numa única direção. Alterações nestas estruturas estão na base de uma variedade de doenças humanas, tal como disfunção pulmonar, hidrocefalias e esterilidade.

Pedro Machado, da equipa do IGC, recorreu a técnicas de microscopia electrónica, que permitem estudar estruturas cerca de 3500 vezes mais pequenas do que a ponta de um cabelo humano, para descrever os passos microscópicos que levam à formação do flagelo do espermatozóide da mosca da fruta, Drosophila melanogaster. “Os flagelos são máquinas altamente complexas. São como rodas com um eixo que coordena o seu movimento. Nós caracterizamos a formação da estrutura equivalente ao eixo das rodas. Sem esta estrutura proteica chamada “par central de microtúbulos”, o flagelo não se move corretamente ”diz Zita Carvalho-Santos. Zita Carvalho-Santos descobriu uma proteína essencial para formar o “eixo das rodas”, chamada BLD10. Na sua ausência formam-se espermatozóides com flagelos imóveis, resultando em moscas estereis. Os seres humanos têm uma proteína semelhante a esta que foi já associada em estudos anteriores a infertilidade masculina.

“É a segunda vez que o nosso trabalho é reconhecido com o Prémio Pfizer. Desta vez vai ajudar à compra de equipamento para vermos ao vivo estruturas muito pequenas como os flagelos poupando-nos muito tempo. Precisamos de mais prémios e investimento privado na investigação em Portugal” diz Mónica Bettencourt-Dias.

Esta é a quinta vez que grupos do IGC vêem os seus trabalhos distinguidos com os Prémios Pfizer de Investigação. Em 2010, o Prémio de Investigação Básica foi atribuído ao grupo de Moisés Mallo pelo seu trabalho na área do desenvolvimento e evolução do sistema músculo-esquelético. Carlos Penha‐Gonçalves e Rosário Bragança Sambo receberam também o Prémio de Investigação Clínica 2010, pelo trabalho desenvolvido na área da malária cerebral em crianças. Em 2009, os grupos de investigação de Miguel Godinho Ferreira (grupo de Telómeros e Estabilidade Genómica) e Miguel Soares (grupo de inflamação), venceram ex-aequo o Prémio Pfizer de Investigação Básica. Em 2007, o mesmo prémio foi atribuído a Ana Rodrigues Martins e Mónica Bettencourt-Dias, pelo seu trabalho na formação do esqueleto das células. Em 2004, o Prémio foi atribuído à equipa de Investigação do IGC liderada por Jocelyne Demengeot.

 

Inês Domingues

Comunicação de Ciência e Relações Externas/ Instituto Gulbenkian de Ciência

 

Ciência na Imprensa Regional – Ciência Viva


© 2012 - Ciência na Imprensa Regional / Ciência Viva


Inês Domingues (IGC)

Veja outros artigos deste/a autor/a.
Escreva ao autor deste texto

Ficheiros para download Jornais que já efectuaram download deste artigo